CADÊ O SALÁRIO?

Ontem, dia 01/02/2016, no período da manhã estivemos em reunião com o Chefe de Gabinete do Secretário de Governo, Samuel Almeida, procurando informações sobre o pagamento dos salários. IMG-20170201-WA0041

Em ato continuo, no período da tarde estivemos também com o Secretário de Finanças.

Logo, conjuntamente com os integrantes do Fórum Sindical aguardavamos audiência com o Secretário de Finanças a fim de ter uma resposta quanto ao pagamento dos servidores do Município de Goiânia que ainda não fora depositado, o que sempre ocorre, desde 1996, até o último dia do mês.

Foto de Andréa

Em resposta o Secretário de Finanças, Oséias Pacheco, nos informou que provavelmente o pagamento sairá ainda nesta semana.

E que estão fazendo todos os esforços possíveis para que o pagamento dos próximos meses seja feito dentro do mês respectivo.

 

 

 

CHEFINHOS…

Algumas pessoas estão disposta a quase tudo para segurar o seu CARGUINHO.

Logo, não perde a oportunidade para se sentir melhor, inclusive, com a adoção de condutas levianas, egoístas e sorrateiras.

Isso: rebaixando o colega se sente superior; falando mal do colega se sente melhor; inventando mentiras sobre a conduta profissional do colega se sente mais profissional que os outros; fazendo ilações pejorativas se sente mais querida, de modo que na primeira oportunidade diz, de plano, que todos somos preguiçosos, que ninguém quer trabalhar.

Nossa… deve ser um exemplo de profissional, um modelo a ser seguido. Mas não é para qualquer um não: tem que ser especialista em PUXAR O SACO, em BABAR O OVO e, ainda, ser bem

dissimulado, caso contrário, está fora desse modelo institucionalizado por alguns no nosso meio.

Talvez, a resolução seja a implementação de uma GESTÃO HORIZONTAL: Nada de chefe ou hierarquia, a figura da chefia não existe e os colaboradores acabam compartilhando mais as responsabilidades e tarefas da companhia.

Para entender um pouco mais sobre esse modelo, listamos nove características do trabalho em uma empresa sem chefe:

1) Habilidade para dar e receber feedback. Os profissionais que atuam em ambientes horizontais precisam ter destreza no uso dessa poderosa “ferramenta de gestão”, pois é por meio dela que se promove o desenvolvimento das pessoas. É necessário ser capaz de reconhecer o bom trabalho dos colegas e apontar possibilidades de melhorias, elogiar e também “puxar a orelha” quando algo estiver impactando negativamente no trabalho. Da mesma forma, é imprescindível ter habilidade para receber elogios e reconhecimento, mas também para ouvir as críticas de alguém que não é seu chefe. Grande parte dos profissionais nunca teve essa experiência, pois usualmente esta tarefa está concentrada nas mãos dos gestores que, pela natureza de seu cargo, tem a “carta branca” para fazê-la.

2) Proatividade. As pessoas precisam assumir compromissos espontaneamente, pois não há alguém com a tarefa exclusiva de delegar e cobrar a execução. Sempre que estiver diante de algo que precisa ser feito ou de uma oportunidade de melhoria, as pessoas precisam ter a iniciativa de fazê-lo ou de comunicar e endereçar a ideia.

3) Desapego. Isto significa dizer que o profissional precisa estar sempre aberto a ouvir as diversas opiniões que podem surgir em relação a um trabalho que está sendo executado. Qualquer um pode ter uma opinião melhor ou complementar à sua e isto deverá ser discutido com mente e coração abertos para que, de repente, algo mais valioso seja construído.

4) Habilidade para trabalhar com grupos multidisciplinares. Muitas decisões são tomadas em fóruns e reuniões onde há a interação de profissionais de disciplinas diferentes. Saber trazer a medida exata da sua contribuição e permitir que os outros também façam complementará o trabalho e favorecerá o surgimento de produtos e soluções com alto valor agregado.

5) Atitude constante de evolução. É uma outra característica importante para profissionais que trabalham ou desejam trabalhar no modelo horizontal de gestão. A empresa horizontal é um ambiente aberto, muito propício ao aprendizado e à troca de experiências, mas vivenciar isto verdadeiramente é uma questão de atitude, de curiosidade e de vontade de fazer melhor sempre.

6) Capacidade analítica e visão sistêmica. O exercício da gestão exige capacidade de olhar a empresa como um todo, um organismo que é maior que suas partes. Isto significa dizer que é necessário medir o impacto das decisões tomadas, não somente no escopo de uma determinada equipe, mas sim das áreas correlacionadas. Como a tomada de decisão é descentralizada, capacidade analítica e visão sistêmica devem ser habilidades comuns a todos.

7) Influência positiva. É a capacidade de favorecer, por meio de atitudes, o bom ambiente e o clima agradável. Atmosfera positiva é o meio necessário para o despertar da criatividade e abre espaço para que o trabalho aconteça de forma divertida e leve. Por isso, há valorização dos profissionais que tenham espirito colaborativo, capazes de oferecer apoio aos colegas e dar suporte para superação de desafios por meio de presença ativa e inspiradora.

8) Liderança. Ausência de chefes não significa falta de liderança. Esta é uma habilidade essencial nesse contexto. A diferença é que ela não é delegada em razão de um cargo, mas sim, emerge naturalmente quando alguém torna-se referência, seja por capacidade técnica, visão estratégica ou conduta.

9) A identificação e o engajamento com os propósitos da empresa. Elas garantem a motivação dos profissionais no exercício de suas atividades. Numa empresa sem chefes, se valoriza pessoas que reconhecem a importância do próprio trabalho e que estejam dispostas a contribuir no projeto comum da empresa.

Mas talvez tudo isso seja utópico demais hodiernamente, pois enquanto houver esses “chefes” no nosso meio será bem difícil o crescimento institucional e profissional da empresa SMT.

 

Agente de Trânsito é Assassinado

MORTO

Diogo Nascimento era servidor do Departamento Estadual de Trânsito da Paraíba (Detran-PB) e comandava uma blitz da Operação Lei Seca na Avenida Governador Argemiro de Figueiredo quando foi atingido por um Porsche que trafegava em alta velocidade. O motorista fugiu sem prestar socorro, mas, devido ao impacto da batida, a placa do veículo caiu na pista e foi apreendida pelas autoridades.

A Justiça chegou a decretar prisão temporária do motorista, mas a ordem de prisão foi suspensa pelo desembargador Joás de Brito Pereira Filho, que concedeu habeas corpus ao suspeito. Na decisão, ele considerou que a prisão seria desnecessária, pois o condutor do Porsche “é réu primário e tem bons antecedentes”. No documento, ele condiciona o suspeito a algumas medidas, como se apresentar às autoridades nos próximos dias para prestar esclarecimentos. O motorista também teve Carteira de Habilitação recolhida e não poderá frequentar bares. 

De acordo com o delegado Marcos Paulo, que cuida do caso, o suspeito deve ser indiciado por homicídio doloso (quando há intenção de matar). Para o policial, o motorista “quis passar por cima de Diogo, de acordo com provas e relatos colhidos até o momento”. 

UM ABSURDO!

Lamentavelmente, mais um caso de violência contra nós, agentes de trânsito. Talvez a consignação dessa visibilidade sirva à implementação de medidas de segurança imprescindíveis ao exercício de nossas atividades. Sejam elas imediatas e diretas como, por exemplo, o porte de arma; sejam mediatas e indiretas como, por exemplo, a que foi deflagrada no final do ano (2015): uma aposentadoria diferenciada. Que querem, inclusive, retirar, uma vez que o Prefeito Paulo Garcia entrara com ação para declarar a sua inconstitucionalidade. QUANTA INSEGURANÇA…

Logo, seja qual for as medidas, a nossa segurança – do servidor público do Município de Goiânia e do Brasil – deve ser uma prioridade para os gestores públicos, bem como para nós mesmos servidores.

Assim, prime pela sua segurança para que possa, de fato, cuidar da segurança do outro.

Volte para casa, e volte bem.

NOSSAS CONDOLÊNCIAS AOS FAMILIARES DO COLEGA DIOGO NASCIMENTO.

DESCANSE EM PAZ

 

NOSSO POSICIONAMENTO A PARTIR DA REALIDADE VIVENCIADA

Screenshot_2017-01-20-21-41-54

Diante de uma crise institucional, amplamente difundida pelos órgãos de imprensa da Cidade, que afeta o campo profissional, faz-se necessária a realização de um diagnóstico introspectivo para que, assim, seja possível alcançar o prognóstico mais adequado, à partir da análise das condições de trabalho e de sua metodologia organizacional, o que requer a adoção de estratégias individuais e coletivas corretas, frente às atribuições a serem executadas por cada departamento, formulando, para tanto, questões e proposições que serão e deverão ser respondidas com a implementação do programa mais adequado.

Logo, com o objetivo de corresponder com a demanda da Secretária Municipal de Trânsito, Transporte e Mobilidade de Goiânia, mais precisamente quanto aos Agentes de Trânsito, uma vez que estamos preocupados com os agravos referentes à falta de estrutura e de projeto de trânsito para com a Cidade, bem como com os índices acanhados de atuação na fiscalização, notadamente, pelas consequências deletérias que tal timidez traz aos pedestres, ciclistas, motoristas, dentre outros, sendo, inclusive, resultado da crise institucional perpetrada pelas administrações desastrosas das gestões passadas, entendemos que podemos contribuir, sobremaneira, para a mudança dessa triste e lamentável realidade.

Nesse passo, é cediço que o efetivo reduzido combinado com a sobrecarga de trabalho e agravada pela falta de estrutura e de condições de trabalho, bem como pela falta de qualquer inovação tecnológica (o que traria consigo um plus à qualidade do

trabalho) tem com consequência natural o desamino e a falta de motivação à execução de um trabalho mais efetivo por parte dos servidores da Casa. Além de afastar alguns da atividade fim, já que buscam outras secretárias para realizar os seus trabalhos, reduzindo ainda mais o efetivo. Situações estas que provocam oscilações, instabilidade e a precarização gradativa que, hoje, podemos dizer, já é permanente nas atividades e nas condições de trabalho da Secretaria.

O CARGO DE AGENTE DE TRÂNSITO É CUMULÁVEL COM O CARGO DE PROFESSOR

Ai está um trecho da decisão do Tribunal de Contas do Município declarando a constitucionalidade do acúmulo de cargo de AGENTE DE TRÂNSITO COM O DE PROFESSOR.

Fizemos uma pequena formatação para não haver a exposição de nenhum nome de agente de trânsito, colega nosso, que foi parte nesse processo.

ESTE

JURISPRUDÊNCIA ESTÁ SENDO CONSOLIDADA – ALGUMAS DECISÕES – DENTRE ELAS UMA REFERENTE A UMA AGENTE AQUI DE GOIÂNIA: AGENTE DE TRÂNSITO PODE ADVOGAR

jurisp 1jurisp 2

 

DECISÃO REFERENTE A UMA COLEGA NOSSA DAQUI DE GOIÂNIA: DE NOV/2016

OUTRA NO MESMO SENTIDO NA BAHIA  EM SET/2015

ADV OCILENE

DECISÃO TRF

Ressaltando que não poderá advogar contra a fazenda pública municipal a qual pertence.

BUSCANDO OS VALORES DESCONTADOS TODOS OS ANOS: CONTRIBUIÇÃO SINDICAL ANUAL

(2×8 EDITAL SINATRAN) PARA 18012017!

Sem título

Hoje o SINATRAN tem todos os requisitos exigidos por lei, não havendo motivos para que não recebamos está contribuição sindical que todos os anos, desde a criação do SINATRAN, tem sido paga ao Sindigoiânia.

A contribuição do ano passado (2016) já está no Judiciário, em que estamos lutando para recebê-la.

Logo, se não for novamente revestida ao SINATRAN implementaremos novamente a ação pertinente.

Nenhum direito a menos.

CURSO DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO E O PROCESSO ADMINISTRATIVO Dias:17 e 18 de fevereiro de 2017

Infracoes A4 - TopoParceria - QuadradaO FILIADO INTERESSADO EM FAZER O CURSO DE INFRAÇÕES DE TRÂNSITO E O PROCESSO ADMINISTRATIVO ENTRE EM CONTATO CONOSCO PARA QUE POSSAMOS REPASSAR O CÓDIGO DE DESCONTO.

A INSCRIÇÃO É FEITA PELA INTERNET: www.fenasdetran.com.br