A Imprensa e a AMT

 

Em primeiro lugar queremos agradecer a todos os Agentes de Trânsito de Goiânia, principalmente aos Agentes Clayton que sempre tem agido como um verdadeiro assessor de imprensa para a categoria e para a própria administração (A.M.T) e também ao Agente Jairo. Lamentavelmente o Sr. Rosenwal Ferreira volta a direcionar o seu canhão de críticas infundadas, como sempre foi do feitio dele, mas utilizando as palavras do Agente realmente é preocupante o silêncio da A.M.T, e o pior, o uso político da instituição, onde as pessoas que conhecem alguém dentro do órgão são beneficiadas com algum tipo de informação privilegiada.

Como no caso deste jornalista, o mesmo entrou em contato diretamente com o presidente da A.M.T, Miguel Tiago e foi prontamente atendido pela administração no local do ocorrido, sendo que aos Agentes de Trânsito que estavam trabalhando, nem sequer foi oferecido o apoio mínimo necessário. Mesmo diante de um texto totalmente pejorativo, maldoso e infundado, a A.M.T não procurou os agentes para que fosse tomada alguma medida, para responder a altura.

O Sinatran já procurou os agentes envolvidos nesta situação e disponibilizou todo o apoio necessário, apesar da competência da administração. Não vamos aceitar que a nossa categoria, hoje o maior quadro de servidores da A.M.T e grande responsável pela arrecadação do órgão fiquem a mercê da própria sorte.

Porque o jornalista exigiu a administração correu para atendê-lo: uma máquina de bordar estará no P.A para que nenhum agente fique sem identificação em seu uniforme, aliás, este mesmo uniforme entregue de forma fracionada, incompleta e com medidas que não atendem a todos. Se fosse só isso, tudo estaria bem. Além de bordar, a administração poderia também melhorar as condições de trabalho, a estrutura de nossos P.A´s, a segurança, a assessoria Jurídica, a assessoria de Comunicação, o departamento de Serviço Social para os agentes de trânsito e por aí vai.

Como não temos os mesmos precedentes do jornalista (importância, relevância) só nos resta a união e a luta sindical para tentar atenuar essas diferenças. Da mesma forma que a A.M.T, não se posicionou nos casos do Paulo Beringhs e Luiz Gama, o Sinatran através da sua assessoria Jurídica já tomou medidas para reparar estes danos e neste caso não será diferente.

Enquanto a A.M.T comemora mais um ciclo na melhora da arrecadação e o agente de trânsito continua na contramão de tudo, o Sinatran não medirá esforços para oferecer a categoria, reconhecimento e dignidade, contem conosco!

DIRETORIA SINATRAN62

 



DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O conteúdo dos comentários deixados neste website são de responsabilidade exclusiva de seus autores.