Arquivo da Categoria: Andréa Gonçalves

NOTA DE SOLIDARIEDADE E DE INDIGNAÇÃO

VIOLENCIA CONTRA A MLHER

O SINATRAN – Sindicato dos Agentes de Trânsito do Município de Goiânia – vem por meio desta se posicionar oficialmente em uma atitude de solidariedade para com as duas adolescentes vítimas de estupro coletivo, a saber: uma, no Rio de Janeiro, violada por mais de 30 homens; e a outra, em Bom Jesus, Piauí, atacada por 05 homens; bem como de indignação, tanto em face da barbaridade dos dois casos, onde as adolescentes foram atraídas em uma trama premeditada cujo contexto traz consigo a maldita praga do século, uma vez que as moças estavam dopadas pelo uso de entorpecentes, tirando qualquer chance de reação e de defesa das vítimas, o que, por si só, torna esse crime ainda mais hediondo; quanto em face da morosidade dos Poderes instituídos em adotar uma política de COMBATE, de fato, eficaz, ou seja, é necessário o recrudescimento de uma cultura de não violência contra a mulher que passa desde a sala de aula e vai até a consubstanciação de penas mais duras. O estupro e suas consequências não podem ser tolerados nem justificados sob qualquer prisma.

Deste modo, urge a plena aplicação da Lei 12.845/2013 de atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual, com profilaxia de gravidez e antirretrovirais, em consonância com normativas internacionais a exemplo da Declaração sobre a Eliminação das Nações Unidas sobre a Eliminação da Violência contra as Mulheres.

Por fim, o SINATRAN reforça a necessidade de garantia e fortalecimento da rede de atendimento a mulheres em situação de violência e de órgãos de políticas para as mulheres e profissionais especializadas em gênero em todas as esferas governamentais, para o pleno acolhimento às vítimas, primando pelo cumprimento de protocolos, pela celeridade e pela humanização nos procedimentos de saúde, assistência psicossocial e justiça em todas as etapas do atendimento às vítimas e seus familiares, assim como a rigorosa punição dos agressores.

À sociedade brasileira, o SINATRAN pede a tolerância zero a todas as formas de violência contra as mulheres e a sua banalização.

E, por favor, não digam que a culpa foi das adolescentes. Esse discurso é obsoleto demais, tão distante que a pobre coitada da Senhora, EVA, explica essa retórica caótica e amaldiçoada que nós mulheres não aceitamos mais.

Andréa Gonçalves

Presidente do SINATRAN

Possível Ilegalidade em Licitação de Fotossensores

fotossensor

Trana com possível Trama ganha muita grana.

O primeiro contrato da Prefeitura com esta empresa que coloca FOTOSSENSORES NA CIDADE DE GOIÂNIA se deu em 1999 que perdurou até 2010 com o Pai. Em continuidade foi estabelecido outro contrato com o Filho. Só faltou o Divino…

Bom, em meio a estas contratações, que já perfazem mais de 16 anos, já foram gastos mais de 90 milhões com esta Trama, ou melhor, Trana. Detalhe, nestas contratações não há a transferência de nada para o Município, nem de tecnologia e nem de máquinas.

Com efeito, o IFG, antigo CEFET apresentou uma excelente proposta de desenvolvimento de tecnologia, TRANSFERÊNCIA, VENDA e posterior manutenção do mesmo serviço realizado pela Trama, isto é, Trana pelo custo de 20 milhões. Mas a municipalidade preferiu pagar o mais caro, bem mais, e continuou com a trama… trana.

E agora temos mais um processo licitatório (o maior) visando contratar uma empresa que preste o mesmo serviço. Quem vai ganhar? Sinto cheiro de trama…

dia 21

O SINATRAN fez o segundo repasse assistencial ao nosso companheiro Eduardo Arruda.

Essa é a segunda é última parcela que foi devidamente deliberada em assembléia no dia 02 de abril.

Agradecemos à categoria pela devida autorização e compreensão.

Lembramos também que no próximo dia 21 de maio o Eduardo, juntamente, com outros Agentes serão homenageados pelo dia Municipal do Agente de Trânsito.

Reiteramos aqui o convite a todos e todas e reforçamos que é de suma importância as Vossas presenças na roda de Conversa sobre nosso cotidiano, momento em que poderemos também rever amigos e trocar experiências.

Até lá!

Nilton da Fé.

Você Bebeu! Até Que Você Prove o Contrário: PRESUNÇÃO DE CULPABILIDADE

aCIDNTE

Caros motoristas, foi sancionada a Lei 13.281/16, que trouxera as maiores mudanças nos 18 anos de vigência do Código de Trânsito Brasileiro.

Todos dirigimos bebados até prova em contrário segundo a Nova Lei.

Entre aumento do valor das multas, suspensão de no mínimo 06 meses para quem atinge 20 pontos, etc., o que mais me chamou a atenção foi a mudança no art. 165 –

“Art. 165-A. Recusar-se a ser submetido a teste, exame clínico, perícia ou outro procedimento que permita certificar influência de álcool ou outra substância psicoativa, na forma estabelecida pelo art. 277:

Infração – gravíssima;

Penalidade – multa (dez vezes) e suspensão do direito de dirigir por 12 (doze) meses;

Medida administrativa – recolhimento do documento de habilitação e retenção do veículo, observado o disposto no § 4º do art. 270.

Parágrafo único. Aplica-se em dobro a multa prevista no caput em caso de reincidência no período de até 12 (doze) meses.”

Com essa disposição legal, que entrará em vigor daqui 180 dias se encerra qualquer dilema a respeito da validade da “multa por recusa” já aplicada por força da Portaria do DENATRAN nº 219/14 c/c Res. 561/15 (enquadramento 757-90), que consiste na aplicação da pesada sanção do Art. 165 a qualquer motorista que se recuse ao exame do etilômetro, mesmo que não apresente qualquer sinal de embriaguez.

A “CULPA” NÃO É NOSSA – QUEREMOS A NOSSA DATA BASE

FOLHA

O poder executivo do município de Goiânia é composto por 24 órgãos municipais, sendo destes, 3 Agencias, 3 Companhias, 2 Institutos, 14 Secretarias, a Controladoria e a Procuradoria. As informações do Portal de Transparência da Prefeitura apontaram a existência de 49.375 servidores no município, em março de 2016. Do total de funcionários constante na Folha Salarial, 86,4% corresponderam a 42.608 servidores vinculados a apenas 4 órgãos municipais. O maior contingente, de 16.516 ou 33,5% referiu-se aos servidores lotados na SMEE – Secretaria Municipal de Educação e Esporte, seguida pela SMS – Secretaria Municipal de Saúde (20,1%) com 9.918, a COMURG – Companhia de Urbanização de Goiânia (16,5%) totalizou 8.143 e o IPSM – Instituto de Previdência dos Servidores Municipais (16,3%) registrou 8.031 servidores. Dessa forma, os 6.767 servidores restantes compuserem os demais órgãos da Prefeitura Municipal de Goiânia.

Em relação ao tipo de contratação, os dados apontaram que, do total de servidores relacionados na folha de pagamento de março de 2016,

  • 56,1% ou 27.700 servidores integram o quadro efetivo da Prefeitura;
  • 15,6% (7.713) são celetistas;
  • 13,3% (6.570) referem-se aos aposentados;
  • 3,0%(1.479) são comissionados e
  • 2,8%(1.368) os pensionista.
  • 8,3% correspondente a 4.107 funcionários enquadrada em Outros se refere aos contratos de mão de obra terceirizados, em substituição a servidores e empregados públicos conforme parágrafo 1º do Art. 18 da LRF.

Por Um Trânsito Mais Humano

 

AMARELO

A Violência Contra Mulheres e Meninas é uma Grave Violação dos Direitos Humanos

 

CEVAM

A violência contra mulheres e meninas é uma grave violação dos direitos humanos. Seu impacto varia entre consequências físicas, sexuais e mentais para mulheres e meninas, incluindo a morte. Ela afeta negativamente o bem-estar geral das mulheres e as impede de participar plenamente na sociedade. A violência não tem consequências negativas para as mulheres, mas também para suas famílias, para a comunidade e para o país em geral. A violência tem ainda enormes custos, desde gastos com saúde e despesas legais a perdas de produtividade, impactando os orçamentos nacionais e o desenvolvimento global.

Décadas de mobilização da sociedade civil e dos movimentos de mulheres têm colocado o fim da violência de gênero no topo das agendas nacionais e internacionais. Um número sem precedentes de países têm leis contra a violência doméstica, agressão sexual e outras formas de violência. No entanto, os desafios persistem na implementação dessas leis, limitando o acesso de mulheres e meninas à segurança e justiça. Em geral, não há iniciativas eficazes de prevenção da violência contra a mulher e, quando esta ocorre, muitas vezes os culpados permanecem impunes ou são condenados a penas brandas.

PRECISAMOS MUDAR ESTA TRISTE REALIDADE.

O SINATRAN DECLARA QUE É ABSOLUTAMENTE CONTRA QUALQUER TIPO OU ATO DE VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES.

DIGA NÃO À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER.

PARABÉNS AO CEVAM QUE, EMBORA AS SUAS DIFICULDADES, COMBATE ESTA VIOLÊNCIA E ACOLHE AS SUAS VÍTIMAS

Diálogo de Segurança: ADOTE ESTE PROCEDIMENTO

DIÁLOGO DE SEGURANÇA PRETO