Arquivo da Categoria: Autor

Trânsito: Reflexo da Sociedade

 

O trânsito é o indicador mais perfeito de como anda a sociedade brasileira. Reflete a violência, o desprezo pelas leis, a arrogância néscia, o desrespeito para com o próximo, o egoísmo e o “jeitinho brasileiro”. Nada poderia demonstrar com mais exatidão quais são os defeitos principais desse povo e apontar o melhor caminho para corrigi-lo.

A cada ano, os números relativos a mortes em incidentes (muitos chamados erroneamente de “acidentes”) de trânsito tornam-se mais assustadores. Cerca de 500 mil mortos por ano é mais que qualquer guerra atualmente em disputa no Mundo. Poucos países vivenciam a experiência de produzirem centenas de milhares de novos assassinos anualmente.

O brasileiro, tão criativo, orgulhoso de seu “jeitinho” que arruma soluções para tudo não parece perceber que, contra regras não deve haver jeitinho. Não há lugar para estacionar, o brasileiro criativo estaciona em local proibido. O brasileiro criativo está com pressa, mas o sinal está fechado, e imagina que o vermelho significa “siga em frente”.

Deixem o Socorro Passar

 

Estabelece o Código de Trânsito Brasileiro que os veículos em operação de socorro, devidamente identificados, sobretudo com a sinalização sonora acionada, têm preferência de passagem na via devendo os demais veículos saírem para a faixa da direita deixando livre a esquerda da via. O Código prevê ainda que o condutor pode ser multado em R$191,00 mais 7 pontos na carteira caso deixe de cumprir a regra.

A lei determina a regra e prevê a punição, mas está longe de conscientizar os condutores da real importância de deixar o socorro passar: a preservação da vida das pessoas.

Tratando especificamente o socorro nos acidentes de trânsito, o que vemos no dia-a-dia é lamentável. O reclamo popular diz que o serviço prestado pelo Estado é demorado e que o tempo de resposta do SAMU poderia ser menor, porém, é comum vermos sirenes disparadas e veículos estáticos na faixa da esquerda impedindo a passagem das ambulâncias.

Eu No Trânsito

 

Uma reflexão sobre o comportamento individual versus comportamento coletivo.

Quem trabalha na área de trânsito depara-se frequentemente com queixas do tipo: “Este novo Código tem vários problemas”; “estas multas são absurdas”, “placas de sinalização erradas ou depredadas”, “pardais” (controladores de velocidade) interrompendo a fluidez do tráfego”, “guardas corruptos”, “taxistas malucos”, “pedestres ignorantes”, etc…

Ah… como é difícil ouvirmos algo diferente de queixas individuais quando o assunto é trânsito. Parece que as pessoas tem dificuldades de perceberem que , nesta área, o comportamento coletivo (segurança, fluxo de tráfego) é muito mais importante do que necessidades individuais (acesso facilitado, conveniências pessoais), já que o objetivo maior do sistema de trânsito é a segurança viária e a preservação da vida.

Saio mais tarde de casa (porque posso dormir mais um pouco) e quero exigir fluidez num espaço compartilhado onde outros também decidiram dormir até mais tarde. Reclamo quando o taxista não quer estacionar em local proibido (que facilite o meu acesso) mas fico louco quando alguém estaciona em frente à minha garagem. Passo o sinal vermelho (por medo de “assalto”) mas fico indignado quando alguém atropela meu parente, ultrapassando o sinal. Dirijo alcoolizado (me sinto em perfeitas condições) mas chamo de assassino do volante àquele que mata embriagado um amigo meu. Reclamo dos controles de velocidade mas critico o sistema de saúde pela falta de leitos nos hospitais públicos (a maior parte das ocupações de leitos hospitalares é de acidentados no trânsito). Atendo o celular (quando poderia deixá-lo desligado enquanto dirijo) mas critico diariamente as “distrações” de outros motoristas ao volante.

Reflexões Sobre Trânsito

 

Prezados amigos, profissionais do trânsito e demais operadores do Direito, envio, em anexo, dois artigos recentes, de minha autoria: “À noite, não pare no semáforo vermelho…”, com dicas de segurança pessoal (sem deixar de lado a segurança do trânsito) e a crônica “O trânsito no divã”. A todos, uma ótima leitura!

Julyver Modesto de Araujo
7954567be37c581c08d419abf59118d3_imagem

Anexos:

 
Mais textos deste autor:
A Esfinge e o Código de Trânsito
Qual é o Seu Nível de Permissividade no Trânsito?
Radar na Via Não Precisa Mais de Aviso. Respeite os Limites
Os Veículos Prestadores de Serviços Públicos e as Infrações de Trânsito
 

 

A Esfinge e o Código de Trânsito

 

Em busca de parcerias que colaborem com a formação e a valorização dos seus filiados, o SINATRAN iniciou contato com a ABPTRAN – Associação Brasileira de Profissionais do Trânsito e através do seu Presidente, o sr. Julyver Modesto de Araujo, será divulgado textos e matérias de interesse da categoria.

Julyver Modesto de Araujo é autor de livros e artigos sobre trânsito, além de prestar diversos serviços nesta área.

 

——————————————————————————————————————–

Prezados amigos, profissionais do trânsito e demais operadores do Direito, aos que se consideram um “Especialista em trânsito”, no que se refere ao conhecimento da legislação aplicável, vale a pena dedicar um tempo à leitura do texto anexo. Aos demais, fica o desafio para aprofundarem seus estudos na área.

Atenciosamente,

JULYVER MODESTO DE ARAUJO (twitter: @JulyverModesto)
Veja algumas curiosidades sobre as novas regras para o transporte de crianças em automóveis:

 

Anexos: 



Mais textos deste autor:
Reflexões Sobre Trânsito
Qual é o Seu Nível de Permissividade no Trânsito?
Radar na Via Não Precisa Mais de Aviso. Respeite os Limites
Os Veículos Prestadores de Serviços Públicos e as Infrações de Trânsito
 

 

Conflitos na Circulação

 

As pessoas interagem, no cotidiano, em três ambientes principais: a família, o trabalho e o trânsito. Na família, o número de participantes é o mais restrito, em geral quatro, cinco, dez, raramente mais.
No trabalho, varia muito, mas o relacionamento mais estreito dificilmente passa de 20 ou 30. E, quase sempre, as mesmas pessoas. Já no trânsito é diferente.

Nas áreas urbanas e nas estradas e rodovias, o número se conta em milhares e, às vezes, em milhões. Normalmente, pessoas diferentes que nem sempre se encontram mais de uma vez.

Na família e no trabalho, o relacionamento é mais cuidadoso, uma vez que o tempo de contato é o maior e se repete muitas vezes. No primeiro caso há vínculos fortes a unir as pessoas: o amor, a amizade, o interesse, o respeito, embora a intimidade possa às vezes ser desgastante.

No trabalho, os vínculos são a hierarquia, a cooperação para a realização de tarefas, o interesse e a camaradagem, também ocorrendo o risco de desgaste. No trânsito, as pessoas tendem a não admitir qualquer relacionamento, principalmente a cooperação, que não deixa de ser uma espécie de interesse, mesmo que isso as prejudique e às outras pessoas. É a competição ensejada por esta máquina formidável que é o automóvel ( no sentido genérico: carros, caminhões, ônibus, motocicletas, etc.).

Por que as pessoas têm, em geral, esse comportamento? Por que se expõem e colocam em risco, inclusive de vida, a si e a outras pessoas?

Código Internacional Q

 

Código Q é adotado internacionalmente por Forças Armadas e trata-se de uma coleção padronizada de três letras, todas começando com a letra “Q”, inicialmente desenvolvida para comunicação radiotelegráfica comercial, e posteriormente adotada por outros serviços de rádios, especialmente o radioamadorismo. Apesar dos códigos Q terem sido criados quando o rádio usava apenas o código Morse, eles continuaram a ser empregados depois da introdução das transmissões por voz. Para evitar confusão, sinais de chamadas têm sido freqüentemente limitados a restringir sinais começando com “Q” ou tendo uma seqüência de três Q embutidos.

Últimos Desenvolvimentos

O código Q original foi criado aproximadamente em 1909 pelo governo britânico, como uma “lista de abreviações… preparadas para o uso dos navios britânicos e estações costeiras licenciadas pela Agência postal geral”. O código Q facilitou a comunicação entre operadores de rádios marítimos que falam línguas diferentes, por isso sua rápida adoção internacionalmente. Um total de quarenta e cinco códigos Q aparecem na “lista de abreviações para serem usadas na radiocomunicação”, que foi incluída no serviço de regulamentação anexo à Terceira convenção internacional de radiotelegrafia. A convenção aconteceu em Londres e foi assinada em 5 de julho de 1912, tornando-se efetiva em 1 de julho de 1913.

Alfabeto Radiotelefônico

 

Um alfabeto radiotelefônico (por vezes confundido com o alfabeto fonético) é um sistema de identificação das letras do alfabeto por meio de palavras-código, utilizado sobretudo na comunicação falada, especialmente por rádio ou telefone, para soletrar palavras.

No mundo todo, existem inúmeros sistemas para identificar as letras do alfabeto e para unificá-los internacionalmente foi criado um alfabeto-padrão pela Organização de Aviação Civil Internacional e também adotado pela Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN).